Coloque no seu Site

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Vivendo para outros


Vivendo para outros


Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a Sua vida em resgate de muitos. Mateus 20:28.
Não devemos viver para nós mesmos. Cristo veio a este mundo para viver para outros — não para ser servido, mas para servir. Se vos esforçardes por viver como Ele viveu, estareis dizendo ao mundo: “Eis o Homem do Calvário.” Por preceito e pelo exemplo estareis guiando outros no caminho da justiça.
O pecado com o qual mais se condescende, e que nos separa de Deus e produz tantas desordens espirituais contagiosas, é o egoísmo. Não pode haver retorno ao Senhor a não ser mediante a abnegação. De nós mesmos nada podemos fazer; mas, fortalecendo-nos Deus, podemos viver para fazer bem aos outros, e desta maneira fugir ao mal do egoísmo. Não precisamos ir a terras pagãs para manifestar nosso desejo de dedicar tudo a Deus, numa vida útil, altruísta. Devemos fazer isto no círculo doméstico, na igreja, entre aqueles com os quais nos associamos e com quem temos relações comerciais. Exatamente nos ambientes comuns da vida é onde deve ser negado o próprio eu e conservado em submissão.
Paulo podia dizer: “Cada dia morro.” 1 Coríntios 15:31. É o morrer diário ao próprio eu, nas pequeninas relações da vida, que nos torna vencedores. Devemos esquecer-nos a nós mesmos, no desejo de fazer o bem aos outros. Da parte de muitos há uma positiva falta de amor aos outros. Em vez de cumprirem fielmente o seu dever, buscam antes o seu prazer.
Deus ordena positivamente a todos os Seus seguidores a obrigação de abençoar os outros com sua influência e seus recursos. … Agindo em favor de outros experimentarão uma doce satisfação, uma paz interior que será recompensa bastante. Quando atuados por um alto e nobre desejo de fazer bem aos outros, encontrarão a verdadeira felicidade no fiel cumprimento dos múltiplos deveres da vida. Isto trará mais do que uma recompensa terrena, pois todo fiel, desinteressado cumprimento do dever é notado pelos anjos e brilha no registro da vida.
No Céu ninguém pensará em si, nem buscará o seu próprio prazer; mas todos, motivados por um amor puro e genuíno, buscarão a felicidade dos seres celestiais em volta. Se desejamos fruir a sociedade dos seres do Céu na Terra renovada, temos de ser governados, aqui, por princípios celestiais.
Ellen G. White, Nos Lugares Celestiais, pág. 238.
POSTADO: Rogério Alonso

Nenhum comentário:

Postar um comentário