Coloque no seu Site

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Novo presidente israelense se opõe a Estado palestino

O 10 º presidente recém-eleito do moderno Estado de Israel é mais conhecido politicamente por sua oposição ao estabelecimento de um Estado palestino.
Reuven Rivlin é quase universalmente reconhecido em Israel como sendo um homem bom e honrado e político. Mas alguns argumentam que ponto baseado no fato de que ele está vocalmente contra a criação de um Estado palestino independente.
Isso não quer dizer Rivlin é racista (embora muitos dos antagonistas de Israel vão reclamar tanto sem ler qualquer outra). Na verdade, Rivlin muitas vezes tornada pública a sua preocupação geral para a população árabe local.
Enquanto servia como Presidente do Knesset, em 2011 (foto), Rivlin, apesar de ser um nacionalista firme, forte oposição de um novo projeto de lei que daria preferência aos veteranos do exército de Israel na contratação de funcionários do governo.
Rivlin argumentou que a lei seria injusto discriminar a minoria árabe de Israel, a maioria dos quais não servem nas forças armadas. Ele também mais tarde se opôs a um projeto de lei que obriga os árabes de Israel para fazer o serviço nacional ao lado de seus compatriotas judeus.
Então, o que ele acha que deve ser feito com a população árabe da Palestina?
Rivlin subscreve a mais popular de as soluções de um estado, que propõe a concessão aos palestinos uma forma de autonomia estendida. Segundo a proposta, os palestinos seria concedida a cidadania israelense, mas votaria em seu próprio parlamento (como já fazem) e em grande parte governar seus próprios assuntos (como já fazem).
A posição de Rivlin sobre o assunto é visto como uma espécie de obstáculo para sua efetiva execução do seu novo post. Mas, na corrida para a eleição presidencial, Rivlin prometeu que, se eleito, ele iria pôr de lado a política e ser um "homem do povo" focado inteiramente em questões internas.
Isso marcaria um contraste gritante com o presidente cessante, Shimon Peres, que era ativo no cenário internacional em empurrar uma solução de dois Estados para o conflito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário